Diálogo de Mãos: Richard Serra, Rivane Neuenschwander e Tamar Guimarães

Kiki Mazzucchelli

Em 1966, Lygia Clark realizou uma proposição em parceria com Hélio Oiticica que envolvia dois participantes cujos pulsos são atados por uma faixa elástica em forma de fita de Möbius. Nessa obra hoje considerada emblemática do Neoconcretismo brasileiro, as mãos tornam-se protagonistas de um jogo de inter-subjetividade no qual a percepção do dentro e do fora está em constante mutação. Clark concebeu esta proposta enquanto fazia fisioterapia ao pulso após ter sofrido um acidente de carro.
Curiosamente, neste mesmo ano Yvonne Rainer recuperava de uma cirurgia no hospital quando recrutou o coreógrafo William Davis para gravar o que seria o seu primeiro filme, Hand Movie. Impossibilitada de utilizar o seu corpo como instrumento, Rainer executa uma performance para a câmera na qual realiza movimentos aparentemente quotidianos e ao mesmo tempo extremamente complexos com os dedos da sua mão direita.
Este programa toma emprestado o título da obra de Clark e inclui duas obras diretamente influenciadas pelo filme de Rainer, propondo uma espécie de livre associação entre trabalhos que exploram o potencial formal, linguístico e simbólico das mãos na produção audiovisual. Ainda que inevitavelmente incompleta, esta pequena amostra do uso deste membro indissociável da condição humana aponta para abordagens distintas. Além disso, a sequência de exibição proposta está organizada de modo a partir do filme em que a presença física da mão como dispositivo formal é salientada (Hand Catching Lead, Richard Serra), passando a adquirir conotações linguísticas ambíguas em Erotisme, de Rivane Neuenschwander e, finalmente, tornando-se uma imagem praticamente ausente embora central em La Incorrupta, de Tamar Guimarães.

Detalhes

Local:MUHNAC
Horário1 set, às 22:00
Duração45′

Kiki Mazzucchelli

Brasil

Em exibição nesta Sessão:

Erotisme

Erotisme
Erotisme
Rivane Neuenschwander